CUIABÁ

TURISMO

Conhecemos: restaurante em SP se inspira no bastidor de sets de cinema

Publicados

TURISMO

source
Bife de chorizo do restaurante Backstage Meat e Heat
Divulgação

Bife de chorizo do restaurante Backstage Meat e Heat

Ao se aproximar de uma esquina da Vila Mariana, na Zona Sul de São Paulo, é possível sentir um cheiro diferente que, à primeira inalada, é difícil de identificar, mas trata-se de lenha de macieira. O Backstage Meat e Heat é um restaurante de comidas feitas na brasa, desde legumes, grelhados até os mais suculentos hambúrgueres, todos com um aroma diferente que é possível sentir ao degustar os pratos. O iG Turismo recebeu um convite para conhecer o restaurante que entra para o roteiro do turismo gastronômico de São Paulo.

A casa tem este nome porque o empresário e diretor executivo, Flavio Vonlantem, trabalhou por muitos anos no audiovisual e trouxe dos bastidores luzes de set de filmagens, um cardápio em forma de script, uma parede de chroma key, microfone boom, playlist com temas de filmes famosos, cartazes de longa-metragens e séries e até um mural com autógrafos de profissionais da área.  

“Foram 10 anos de experiência de produção e de fazer churrasco no fundo do quintal da produtora. Todo o processo de desenvolvimento do sabor veio desses anos assando carnes no fundo da produtora, apesar de já fazer churrasco para os amigos há 20 anos”, lembra. “Fazia todo sentido amarrar o nome do restaurante, Backstage, a um set audiovisual porque tudo começou no fundo da produtora, então amarrei esse conceito e trouxe para dentro do restaurante essa temática”, detalha.

A ideia do estabelecimento é fazer um casual dinner: o cliente toma um chope, come uma comida “um pouquinho mais elaborada”, como explica o empresário, nada complicado e o cliente se diverte em um ambiente seguro, numa região considerada tranquila. O cardápio tem uma colaboração mútua entre Flávio, o chef Diego Carvalho e outros dois sócios, que trabalham com consultoria para restaurantes.

Leia Também:  Brasil terá voos diretos para Salta e Bariloche a partir de julho

“A gente sempre tem elementos reconhecíveis e tenta adicionar um pouco da nossa característica, que é a fumaça. Queremos trazer esse grelhado com a fumaça”, explica. “Esse toque do defumado com cheiro da lenha de macieira vem da minha experiência com os churrascos na produtora, mas sempre trabalhamos em grupo para evoluir o cardápio”, declara.

O menu é sempre dinâmico para não cair na mesmice, então se demora para voltar ao restaurante é bem provável que ele vá encontrar tudo reformulado, diferente. A ideia do empresário é ter um cardápio enxuto, trocando para ter sempre uma novidade.

“A gente já teve um sanduíche vegetariano de cogumelo que ia para a brasa, mas agora trocamos e temos um de beterraba. Nossa ideia é trabalhar essa brasa, então obviamente que a carne acaba sendo nosso principal, mas tudo que a gente puder jogar lá, vai. Queremos fazer legumes, berinjela, abacaxi tudo na brasa. Por uma questão conceitual, a gente não tem opções veganas, mas temos opções vegetarianas”, salienta.

Avaliações de preço e localização

De entrada, o iG Turismo experimentou a croquete de cogumelos cremosa com mix de cogumelos e funghi seco para compartilhar (R$ 32), que estavam deliciosos, porém um pouco frios por dentro. Já os pratos principais estavam sem defeitos: um bife de vazio, semelhante à fraldinha, tradicional no churrasco argentino, com chumichurri e vinagrete (R$ 59) e uma copa lombo de leitão, conhecida como o ancho suíno, um dos cortes mais macios do porco, preparado na brasa e defumado, servido com vinagrete de abacaxi tostado (R$ 59). O acompanhamento foi uma salada cremosa de batata, maionese e cebola crispy da casa, que já está incluído no prato, mas pode ser pedido separadamente por R$ 13.

Leia Também:  Juju Salimeni exibe ensaio revelador com look ousadíssimo: “Minha inspiração diária!’

“Não queremos ser caros. A ideia é conseguir por no cardápio tudo o que tenha custo condizente, com qualidade, e que resulte num produto com uma percepção de valor boa. Isso para nós é interessantíssimo”, afirma Flavio.

Como o cardápio é dinâmico, o empresário já dá um spoiler: “O próximo prato que entra neste fim de semana é a Glazed Ribs, uma costelinha glaceada na cerveja com chips de cará”.

A casa fica na Rua Bartolomeu de Gusmão, 78 – Vila Mariana, tem espaço para poucas pessoas no lado interno, o que pode ser uma desvantagem para quem tem um grupo de amigos grande, mas o lado positivo são as janelas grandes, viradas para as duas ruas, que fazem o ar circular perfeitamente. Justamente por conta do tamanho diminuto, para os dias frios, os clientes precisarão se acumular no lado interno ou ficar na calçada mesmo em baixas temperaturas.

“A gente aposta muito nessa esquina para tomar um chope, comer uma carne. É um ambiente mais casual, que é uma característica dessa região. Quando entrei neste ponto, eu disse ‘é aqui’. Inauguramos dia 26 de novembro do ano passado e no calor fica lotado”, complementa.

Não há estacionamentos por perto, mas a rua é tranquila e o cliente pode deixar o carro pelas redondezas, inclusive em frente ao restaurante.

Fonte: IG Turismo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TURISMO

Conhecemos: Paris 6 faz a mistura de  gastronomia e cultura em SP

Publicados

em

O Paris 6 tem uma concepção inspirada na década de 1920
Divulgação

O Paris 6 tem uma concepção inspirada na década de 1920

Mais do que um restaurante, o Paris 6 é um ponto de referência da alta gastronomia na cidade de São Paulo e virou um ponto de encontro de artistas, esportistas e influenciadores. O proprietário da marca, Isaac Azar, cedeu sua mesa predileta para o iG Turismo, que fica em um cantinho especial na parte interna do restaurante Classique, o primeiro de uma rede, localizado no coração dos Jardins, um dos bairros mais caros da capital.

Isaac começou a vida como vendedor de carros na concessionária pertencente à família, cursou administração na Faap (Fundação Armando Alvares Penteado) e resolveu se arriscar pelo universo dos azeites. Em seguida, ele decidiu criar um restaurante que trouxesse ao Brasil o ar vintage de Paris da década de 1920, com riqueza de detalhes desde a decoração do ambiente até a beleza dos pratos.

“Em Paris, muitos lugares remetem ao passado, como o Café de Fleur, que recebia Simone de Beauvoir e Jean Paul Sartre e acabou se tornando um ponto de encontro de artistas. Isso também acontece aqui no Paris 6. Vários artistas começaram a se encontrar aqui, também os músicos e influenciadores. Todas as tribos estão aqui”, salienta o empresário.

Uma das marcas mais sólidas do Paris 6, sem dúvida, é o menu em que vários artistas e esportistas são homenageados cedendo seus nomes aos pratos. Lá, é possível encontrar um iguaria chamada “fettuccine au palmier à Anitta” ou “grand crêpe au chocolat de grand gateau à Neymar”. Isaac explica que a ideia inicial do prato vem do próprio famoso e, depois, o empresário vai moldando o conceito conforme os padrões da casa. Ao final, cada um é responsável por 50% da criação.

“Por exemplo, se a pessoa me diz que gosta mais de carbonara e eu já tenho isso no cardápio, nada me impede de criar uma outra versão dela. Ou também eu posso sugerir um acompanhamento para esse prato, como um camarão, então o processo criativo começa na adaptação àquilo que o homenageado mais gosta”, desenha. “Depois, eu dou a minha pegada do que eu gosto para aquele menu, somado também àquilo que o homenageado quer”, completa.

A escolha dos famosos que entram no cardápio da casa é bem criteriosa. Isaac destaca que o personagem precisa ter um relacionamento próximo com a casa,frequentar periodicamente, se envolver com o restaurante e já ter um histórico de fazer publicações nas redes sociais para garantir que ele vai divulgar aquele prato.

Leia Também:  Conhecer Dubai gastando menos? Veja como é possível

“Não adianta nada homenagear uma pessoa que vem uma vez aqui e não vai divulgar o prato. Não tem um porquê. Tem de ser alguém que goste do Paris 6, que tenha expressão na mídia, pode ser músico, ator, atriz ou influenciador que tenha essa força. Potencialmente ele estará no menu do restaurante.”

Aliás, o fator “instagramável” é essencial na dinâmica de marketing do restaurante: os pratos que entram no menu têm o visual minuciosamente trabalhado, assim como a escolha da fotógrafa para deixar tudo com um padrão ímpar. Além de ser a responsável pelos cliques, Thati Bione também é advogada tributarista e também é famosa por ter participado do “Big Brother Brasil” 8 e Isaac aposta no olhar dela para deixar tudo ainda mais parisiense.

“Ela trabalha todos os meus pratos. As fotos têm uma característica única porque é só uma profissional que produz. É o mesmo ponto de vista, a mesma iluminação e tudo isso é trabalhado com ela desde o começo. A iluminação do restaurante é mais quente, puxado para o âmbar, então eu precisava disso nas fotos. Só o prato que não poderia estar com esse amarelado. Existe um grande trabalho para que todos os pratos sejam instagramáveis, mas sem perder as cores dele”, comenta.

Avaliações e localização

O iG Turismo foi convidado para saborear alguns pratos do Paris 6, a convite de Isaac. De entrada, escolhemos duas opções: uma “salade caesar au poulet à Miguel Falabella” (R$ 42) – salada de alface americana com crutons e pedaços de peito de frango – e “crevettes panée à l’a confiture de’apricot à Pocah” (R$ 149) – seis camarões grandes empanados e fritos com geleia de damasco –, este último, em especial, estava suculentíssimo. Como prato principal, comemos “saumon grillé aux crevettes à Bianca Andrade” (R$ 95) – filé de salmão grelhado ao molho de camarões – e “médaillons à la salce rôti au risotto de brie à l’huile de’olive trufee à Chorão” (R$ 97) – risoto de brie com medalhões com azeite trufado.

Os pratos degustados são simples, com ingredientes relativamente baratos que podem ser encontrados na maioria dos supermercados populares. Por isso, não vá achando que vai comer a comida mais diferente desse mundo porque esse nem é o objetivo do restaurante. Para se ter uma ideia, o prato mais apreciado pelo próprio Isaac é um bife de fígado, com arroz e batata frita que é uma releitura do que a mãe dele, Jeanette Azar, fazia para ele na infância. Alguns dos pratos também são tão grandes que podem ser divididos por duas pessoas, então vale a pena perguntar ao garçom sobre o tamanho deles para não desperdiçar.

Leia Também:  CCBB-SP apresenta mostra sobre construção da bruxa no cinema

As sobremesas do restaurante são muito populares, já apareceram em diversos Instagrams de famosos e tem gente que é atraída até lá só por causa delas. Para finalizar a refeição, o iG Turismo escolheu um “grand gateau au Kinder à Jade Barbosa” (R$ 57), que é um bolinho servido numa cumbuca, com ganache de chocolate meio amargo, pedaços de Kinder Bueno e um toque de calda de doce de leite. Para quem não gosta de sabor muito doce, fuja dessa opção.

Antes de finalizar a degustação dos pratos, Isaac ainda conta um spoiler sobre o que vem por aí: uma sobremesa em homenagem ao atleta fitness Toguro, dono do canal “Mansão Maromba” no Youtube.

“Ele queria um prato que fosse um ‘dia do lixo’, então ele criou um que é uma crepe de Oreo, com uma bola de sorvete. No meu Instagram pessoal eu até preparei essa sobremesa. Essa sobremesa vai ser lançada nesta quinta, dia 30”, revela.

A unidade que o iG Turismo visitou foi a Classique, que fica aberta 24h por dia, 7 dias por semana, na Rua Haddock Lobo, 1240, nos Jardins, a primeira de 27 unidades espalhadas pelo país. Os preços são um pouco salgados para quem quer apenas experimentar um jantar requintado, em um ambiente très chic, mas a grande novidade da casa é que as refeições poderão ser divididas em três vezes no cartão, o que facilita e muito para quem quer ter uma experiência em um dos restaurantes mais badalados da cidade.

No mês de julho, durante a Bienal Internacional do Livro de São Paulo, o Paris 6 vai fazer uma exposição com vários menus históricos com inscrições de escritores modernistas renomados que fizeram parte da Semana da Arte Moderna de 1922. São peças únicas de restaurantes da época que recebiam esses grandes nomes e que eles usavam os menus para fazer anotações.

“Mario de Andrade, Oswald de Andrade e outros modernistas frequentavam muitos restaurantes, colecionavam menus e escreviam em cima deles. A gente convidou um curador da própria Bienal que conseguiu reunir essas peças para uma exposição em quadros. Também vamos criar um mini menu com pratos da época, com duas entradas, três pratos principais e duas sobremesas que refletem àquela época”, avisa Isaac.

Fonte: IG Turismo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA