CUIABÁ

MULHER

Mattel lança Barbie com aparelho auditivo e Ken com vitiligo

Publicados

MULHER

source
As novas barbies estarão disponíveis a partir do dia 22 de junho deste ano
Divulgação

As novas barbies estarão disponíveis a partir do dia 22 de junho deste ano

A Mattel anunciou a primeira coleção de bonecas da Barbie e Ken que conta com bonecas com aparelhos auditivos e vitiligo. Os novos modelos são uma tentativa da marca de fazer com que as crianças se reconheçam mais em suas brincadeiras e aumentar a diversidade, já que a boneca sempre foi muito ligada a padrões estéticos de beleza. 

A nova Barbie com parelho auditivo foi criada em conjunto com a fonoaudióloga norte-americana Jen Richardson. Em nota de divulgação da Mattel, ela conta como está empolgada com a possibilidade de crianças com problemas auditivos poderem se sentir representadas. 

“Como fonoaudióloga educacional com mais de 18 anos de experiência na luta contra a perda auditiva, é inspirador ver que as pessoas que sofrem de perda auditiva são representadas por uma boneca. Estou muito feliz que meus jovens pacientes possam ver e brincar com uma boneca que se parece com eles”, relata Richardson.

Leia Também:  Justiça condena homem que postou vídeo quebrando aparelho no Facebook

Além da boneca com aparelho auditivo, a linha também conta com o Ken com vitiligo que faz dupla com a já existente Barbie com vitiligo, lançada em 2020. A linha conta ainda com uma Barbie que usa cadeira de rodas.

A Mattel fala sobre a importância da representação de diferentes corpos. “Ao representar a diversidade e a inclusão, permitimos que as crianças brinquem com bonecas que se parecem com elas e que melhor correspondam ao mundo ao seu redor”, declara a marca.

No entanto, a comunidade das pessoas com deficiência chamam atenção para o alto preço dos brinquedos. As bonecas com deficiência acabam tendo um valor mais alto, custando em média R$ 160,00 reais, enquanto as outras fica na média dos R$ 68, 00 reais, tornando o produto menos acessível ao público. Os Brinquedos estarão a venda a partir do dia 22 de junho deste ano. 

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram. 

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MULHER

Diagnosticada com autismo na vida adulta: “Não queria estar viva”

Publicados

em

source
 Bianca Bittencourt só conseguiu o diagnostico do autismo adulta
Arquivo pessoal

Bianca Bittencourt só conseguiu o diagnostico do autismo adulta

“Sempre soube que eu não conseguia me encaixar com as outras crianças, mas eu tentava muito. Isso é algo que, inclusive que chamamos de ‘masking. O que cansa muito, principalmente quando você é criança. Com dez anos de idade já tinha episódios depressivos, eu chorava todos os dias ao chegar em casa da escola. 

Eu estava exausta as outras crianças que eu era como elas, mas eu não era. O barulho, a luz, a sensação térmica, tudo isso me incomodava. Em muitos dias, almoçava dentro do banheiro porque não queria estar com outras crianças. Eu não queria o barulho.

Aos seis anos de idade comecei a fazer terapia devido a episódios depressivos. Minha mãe teve que ir e voltar comigo da terapeuta. Na época era muito difícil encontrar um profissional adequado para diagnosticar o autismo em meninas. A maior parte dos especialistas acreditavam que o autismo só era presente em meninos. Nunca chegaram a considerar o autismo no meu caso. Para mim, apesar, da minha mãe ter me colocado na terapia desde a primeira infância. Ela sabia que eu tinha algo de diferente que ninguém conseguia dizer o que era. Ela sabia que, para mim, era difícil viver socialmente

Leia Também:  Horóscopo do dia: previsões para 8 de abril de 2022

A minha mãe é coordenadora de uma APAE, (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) tem pós-graduação em psicopedagogia e está fazendo uma segunda pós-graduação em autismo. Ela já lidou com diversos tipos de deficiência e sempre achou que eu tinha todos os sinais do autismo. No entanto, ela não conseguia fazer nenhum profissional olhar para isso de verdade.

Só anos mais tarde, na minha vida adulta, consegui procurar um especialistaEm uma consulta, afirmei que tinha todas as características e que preenchia todos os critérios do espectro autista desde a primeira infância. Disse ainda que minha mãe poderia atestar isso e que tentava conseguir um diagnóstico desde os meus 6 anos, mas nenhum profissional deu atenção”.

Eu passei a minha infância inteira sofrendo muito na escola, porque eu não tive acomodação nenhuma. Todos tentaram fazer com que eu fosse igual as outras crianças, quando, na verdade, a minha experiência era muito mais difícil. 

As pessoas não costumam ouvir as crianças, acham que crianças não têm compreensão do que está acontecendo. Na verdade, ha compreensão sim. Me lembro muito bem que, aos dez anos, eu já não queria estar viva de tão difícil que era estar em sociedade

Falo que o processo do diagnóstico foi bem simples, porque eu procurei um especialista em mulheres e adultos. Fui diagnosticada com autismo, transtorno de ansiedade e transtorno obsessivo compulsivo. 

Leia Também:  EUA aprovam aparelho capaz de detectar covid por amostra respiratória

No entanto, o meu laudo foi feito por uma psicologa. Por isso, o meu processo de diagnóstico ainda não acabou. Não tenho um laudo médico e, consequentemente, nenhum direito legal ainda assegurado

No começo desse ano tentei ir a um psiquiatra, o que acabou não resultando em nada. Ela queria que eu fosse em outra terapeuta, que não era uma especialistae que eu deveria voltar lá depois de três meses.

Tenho interesse em mudar minha documentação para garantir que eu tenha todos os direitos legai previstos. Então, para conseguir esse laudo, tenho consultas marcadas com um neurologista e outros psiquiatras.

Ir aos médicos é sempre um processo muito irritante. Os profissionais sempre me olham e perguntam: ‘Por que você acha que precisa de um laudo médico?’ ou  ‘Você está conseguindo viver até hoje’  estou conseguindo viver até hoje aos tropeços. 

Existem direitos meus que não estou tendo. É muito chato dizer tudo isso a alguém e ouvir que estou exagerando em querer direitos, ou mesmo dizerem que eu ‘falo normal’ ou ‘pareço normal’, questionando o porquê  de eu querer os meus direitos como pessoa com deficiência. Não é porque eu consigo me passar por neurotípico que a minha vida é mais fácil”.

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram. Clique no link para entrar no grupo. Siga também  o perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA