CUIABÁ

MATO GROSSO

Gefron apreende 47 kg de cocaína e recupera veículo furtado na fronteira com a Bolívia

Publicados

MATO GROSSO

O Grupo Especial de Segurança de Fronteira (Gefron) apreendeu 45 tabletes de substância análoga à pasta base de cocaína nesta terça-feira (21.06), durante o patrulhamento em Porto Esperidião (322 km de Cuiabá). Os entorpecentes pesavam, aproximadamente, 47,7 kg e foram avaliados em R$ 858.600,00.

A equipe realizava o patrulhamento nas proximidades da rodovia MT-265, região conhecida como “Biscoito Duro”, quando avistou três indivíduos caminhando por uma região de mata carregando em seus ombros um material com determinado volume.

Ao perceberem que seriam abordados, os suspeitos soltaram o material e tentaram fugir em meio a mata fechada. Entretanto, acabaram capturados.

O trio foi encaminhado à Delegacia de Fronteira (Defron) em Cáceres para as demais providências.

Veículo recuperado

Também em Pontes e Lacerda, durante patrulhamento, equipe do Gefron localizou um veículo Honda Civic Sport CVT, de cor preta, que havia sido roubado em Cuiabá no dia 19 de junho. O carro foi identificado após o motorista ter ignorado a ordem de parada da equipe.

O Gefron fez o acompanhamento do veículo, até que, em determinado momento, o suspeito abandonou o veículo às margens da via, fugindo em região de mata.

Leia Também:  Polícia Civil de MT recupera valores subtraídos de três vítimas de golpes pela internet

Feita a checagem junto ao Centro de Operações Gefron, foi constatado que o veículo é produto de furto. O carro foi encaminhado para Delegacia de Polícia Civil de Pontes e Lacerda para as demais providências.

(Com supervisão de Julia Oviedo)

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO

Projeto da Sema Mato Grosso leva práticas agrícolas sustentáveis para famílias de nove comunidades

Publicados

em

O Assentamento Antônio Conselheiro, em Barra do Bugres (164 km de Cuiabá), recebeu, nesta quarta-feira (30/06), da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, materiais para uso no plantio e colheita de itens da agricultura familiar. O Programa de Educação Ambiental na Agricultura Familiar (PEAAF) acontece em nove comunidades e assentamentos de Mato Grosso.

Os municípios atendidos são Peixoto de Azevedo, Tangará da Serra, Barra do Bugres, Poconé e Nossa Senhora do Livramento. São projetos comunitários implementados para a  implantação de hortas ecológicas comunitárias, viveiros e recuperação de nascentes.

“Este projeto possibilitou aos participantes o reconhecimento da importância da conservação ambiental, além de, principalmente, possibilitar a geração de renda com práticas sustentáveis”, explica a superintendente de Educação Ambiental da Sema-MT, Vânia Montalvão.

Marinalva Tavares de Souza, moradora do assentamento, trabalha na agricultura familiar diretamente  com o PEAAF, plantando horta e produzindo leite. Ela destaca o material recebido – utensílios para uso na plantação, como enxadas, pás e carrinho de pneu – que lhe permite produzir mais e melhor.  

Leia Também:  Operação prende 21 pessoas por receptação de celulares e recupera 25 aparelhos roubados e furtados

“O projeto, para mim, é muito viável. Desde o início, na formação, já deu para aprender muita coisa. Valorizo muito o trabalho feito aqui, muito importante para nós”, diz.

 
 

Na comunidade de Faval, em Nossa Senhora do Livramento, o projeto possibilitou a educação ambiental por meio de horta comunitária, produção de mudas de árvores nativas e frutíferas do cerrado, para reflorestar as nascentes.

“Hoje, posso falar que sou uma agente de educação ambiental. Aprendi a preservar e, por isso, a conscientizar a população sobre o valor de manter o meio ambiente equilibrado”, afirma Cícera Aparecida da Silva Seni, 35 anos, professora. 

Emprego e renda – O PEAAF também incentiva o extrativismo sustentável de castanha cumaru na Comunidade Quilombola de Capão Verde, em Poconé. Natan José Campos de Oliveira, 22 anos, mora na comunidade, composta por 28 famílias. Eles trabalham com produtos, que não só têm grande aceitação no mercado como contribui para a preservação do bioma Pantanal.

“Este projeto vem para ajudar o nosso trabalho, que, sem recursos, fica muito difícil. Com ele, vai melhorar a renda. Recebemos materiais que ajudam, e muito, no processo de coleta e no processamento da castanha do cumaru”, avalia Natan.

Leia Também:  Sinfra apresenta relatório de execução das metas fiscais na Assembleia Legislativa

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA