CUIABÁ

DIAMANTINO

‘Mutirão da Catarata’ devolve a visão a pacientes de Diamantino

Publicados

DIAMANTINO

“Eu não podia ler mais, tinha que trazer o papel bem pertinho para poder enxergar”, contou a aposentada Nilce de Carvalho Garcia de 77 anos. Ela foi um dos 22 pacientes diagnosticados com catarata pela atenção básica de saúde de Diamantino. Todos os pacientes fizeram a cirurgia de catarata no Pronto Atendimento Municipal Dr. Leônidas Nascimento Vidigal nesta sexta-feira (13.05). A realização do procedimento é inédita no município e possível devido ao Programa Mais MT Cirurgias da Secretaria de Estado de Saúde – SES/MT em parceria com a Prefeitura de Diamantino.

Na antessala de cirurgia, o morador do bairro Buriti, Osvaldo Souza de 71 anos, que trabalhava com serviços gerais até poucos meses antes da pandemia do novo coronavírus, quando após um mal-estar devido a visão turva o tirou de suas atividades laborais.

“Eu trabalhava limpando quintais, fazendo todo o tipo de serviço e precisava enxergar bem para não deixar nada para trás, foi quando percebi que a visão estava cada dia mais embaçada, até que um dia durante o trabalho tive um mal-estar, vindo parar no Pronto Atendimento e achando que ficaria cego”, relatou.

Leia Também:  Diamantino recebe exposição de realidade aumentada Olho D’Água Artes Líquidas e Águas Visuais

Osvaldo ainda contou que teve seu procedimento cirúrgico marcado, porém cancelado devido à pandemia da Covid-19, quando em todo o país foi interrompida a realização de procedimentos ambulatoriais e cirurgias eletivas.

Responsável pelos procedimentos realizados no dia de hoje, o médico oftalmologista Antônio Sardinha explicou que a “catarata” é a densificação do cristalino ocular ocasionado pelo envelhecimento, porém podem também estar associadas a alterações metabólicas, ou até mesmo em crianças por hereditariedade e pontua que o procedimento é rápido e indolor, tendo resultados imediatos pós-cirúrgico.

“Este tipo de catarata é denominada de catarata senil, que está relacionada a idade. Conforme a pessoa vai envelhecendo o cristalino também envelhece e vira a catarata. Então tiramos esse cristalino doente e colocamos uma lente intraocular, que faz com que a pessoa volte a enxergar e até mesmo em muitos casos fazendo com que a pessoa deixe de usar óculos para longe”, explica.

A cirurgia, detalhou o médico, demora entre 5 a 10 minutos e o tempo de recuperação depende de cada pessoa, do uso dos colírios com antibiótico e corticoide e também do repouso que é o mais importante, já no mesmo dia ela consegue enxergar bem.

Leia Também:  Covid: Vacinação mudou o perfil dos pacientes hospitalizados e mortos

Redução da fila de espera pela cirurgia

Conforme explica Ludmilla Carris, enfermeira do município de Diamantino, o mutirão em parceria com a SES/MT, através do Programa Mais MT Cirurgias, tem o objetivo de reduzir uma demanda reprimida para a realização de consultas e procedimentos oftalmológicos desde o ano de 2015 que se estendia até junho de 2021.

“Constatamos que entre o período de 2015 a junho de 2021, havia uma demanda reprimida por consultas oftalmológicas em Diamantino, e a destinação de recursos através do programa do Governo do Estado nos colocou em condições de realizar estes procedimentos e também de consultas”, afirmou.

O mutirão se estende neste final de semana com consultas oftalmológicas, agendadas para este sábado (14) e domingo (15) na Estratégia de Saúde da Família – ESF Central, a partir das 07h00 com parada para almoço e retorno às 13h00, onde espera-se que sejam atendidas 150 pessoas, pré-agendadas, incluindo os retornos dos procedimentos efetuados hoje.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

DIAMANTINO

Conselheiros tutelares de 17 municípios participam de Oficina de Capacitação do Sipia em Diamantino

Publicados

em

Diamantino sediou esta semana a Oficina de Capacitação do Sistema de Informação para a Infância e Adolescência (SIPIA/CT-MT) provida pelo Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca/MT). Ao todo, participaram representantes de 17 municípios, sendo 8 do núcleo regional de Diamantino e 8 municípios convidados. A capacitação foi ministrada pela Coordenadora Estadual do SIPIA/CT, Rebecca Alves Marques Souza.

Integram o núcleo regional os municípios de Diamantino, Alto Paraguai, Nobres, São José do Rio Claro, Denise, Nortelândia, Rosário Oeste e Arenápolis, e foram convidados representantes dos municípios de Brasnorte, Santo Afonso, Jangada, Acorizal, Colniza, Juara, Tangará da Serra, Castanheira, Lucas do Rio Verde.

O Sipia, explicou a coordenadora, é um sistema nacional de registro e tratamento de informação sobre a promoção e defesa dos direitos fundamentais preconizados no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) onde propõem gerar informações com a finalidade de subsidiar a adoção de decisões governamentais sobre políticas para crianças e adolescentes, garantindo-lhes acesso à cidadania.

E esta formação, de acordo com Rebecca Alves, teve como objetivo orientar os conselheiros tutelares na implementação de melhorias e aprimoramento no que diz respeito ao sistema.

Leia Também:  Governo de Diamantino regulamenta distribuição de absorventes higiênicos à alunas da rede pública de ensino

“O Sipia é a única ferramenta informatizada do conselheiro tutelar. É um banco de dados onde são registradas todas as violações de direitos humanos de crianças e de adolescentes e quando o Conselho Tutelar utiliza o CIPIA o município tem diagnóstico, tem dados estatísticos das violações que acontecem nos seus municípios para gerenciar as políticas públicas voltadas para as áreas da infância e da juventude, nas áreas que mais tem violação dentro daquela localidade”, detalhou.

Regiane Chaves Carrijo, conselheira tutelar de Lucas do Rio Verde, reconheceu a importância da capacitação para a o pleno funcionamento do Sipia. “Era a complementação que falava para os conselheiros realizarem a correta inserção de dados no sistema”.

De Arenápolis, Naine Alves reforçou a fala da colega por entender a importância no Sipia na definição de estratégias de ação e implementação de políticas públicas nos respectivos municípios a partir dos dados estatísticos computados no sistema.

Tanto Regiane quanto Naine apontaram com um dos grandes desafios do Conselho Tutelar a compreensão por parte da sociedade de sua real função que é a garantia dos direitos da criança e do adolescente.

Leia Também:  Dr. Manoel participa de solenidade para entrega de caminhão auto tanque à 5ª CIBM

Sipia

O Sipia fundamenta-se no Estatuto da Criança e Adolescente (ECA) e tem três objetivos primordiais que são: operacionalizar na base a política de atendimento dos direitos; encaminhar a aplicação da medida mais adequada com vistas ao ressarcimento do direito violado, para sanar a situação em que se encontra a criança ou adolescente e outras.

Por estruturar-se com base nos mesmos conceitos do Eca e do Adolescente, o Sipia constitui-se em instrumento de capacitação para os conselheiros tutelares e para os conselheiros de direitos, contribuindo para a implantação e o adequado funcionamento de ambos e, assim, para a implantação do próprio estatuto. 

Conselhos tutelares

Os Conselhos Tutelares são responsáveis por receber e apurar denúncias sobre violações dos direitos da criança e do adolescente – que incluem maus-tratos, crianças fora da escola, trabalho e prostituição infantil ou do adolescente, cabe também ao Conselho Tutelar repassar as denúncias para o Poder Judiciário naquilo que lhes compete. 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA